“Da Natureza para o Papel II” – Exposição de ilustração científica de Marco Correia

Header_Da-Natureza-para-o-Papel

Campus 1 (Escola Superior de Educação e Ciências Sociais – Leiria)  | 06-01-2020 a 04-03-2021

Biblioteca do Campus 3 (Escola Superior de Artes e Design – Caldas da Rainha) | 05-07-2021 a 08-10-2021

Biblioteca do Campus 4 (Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar – Peniche) | 24-02-2022 a 30-06-2022

John Ruskin, proeminente crítico de arte inglês do século XIX, com uma vida de trabalho dedicado a ensaios sobre arquitetura e arte, no seu livro intitulado “The Elements of Drawing” ensina os seus discípulos os fundamentos do desenho que se detêm na representação da realidade. Para este autor a excelência do trabalho artístico dependia mais da observação demorada e atenta do que do virtuosismo para executar o desenho. Por conseguinte, aquilo que determina um bom desenho académico de representação da natureza, depende mais da observação do que da agilidade. Isto quer dizer que qualquer um de nós pode ser um bom desenhador, basta que para tal se disponibilize a olhar demorada e atentamente para o mundo que o rodeia, livre de ideias pré-concebidas, dos muitos clichês e imagens de menor qualidade que povoam o nosso dia a dia.

Mas há uma segunda condição para ser um bom desenhador. Para o efeito, Ruskin releva que é importante ter um bom mestre que seja capaz de estimular paulatinamente para a observação do mundo, livre de interferências e de imagens feitas, mas potente do ponto de vista empático. Ruskin refere que aquele que quer ser artista ou simplesmente desenhador “tem muito que descobrir e a melhor forma de fazer essa descoberta será prestar atenção, e pensar, por um período mais longo de tempo, nas simples e pequeninas coisas”. Será da atenção e da repetição dedicada às coisas pequenas que se desenvolve a primeira apetência para o desenho. Ruskin recomenda que “primeiro desenhem apenas duas ou três folhas a seguir ramos maiores e depois pratiquem mais e mais elementos complexos de folhas e ramos”.  Desta experiência bem-sucedida criar-se-ão as condições de autoconfiança necessárias para se lançar ao desenho de realidades cada vez mais complexas como paisagens inteiras. A sintonia entre perceção e firmeza da mão conquistam-se através de uma sucessão de tentativas.

Marco Correia, designer de formação, é hoje um dos ilustradores científicos com trabalho mais relevante, a par de Pedro Salgado, seu mestre. Aquilo que Marco Correia aprendeu e desenvolveu deve merecer a nossa melhor atenção porque cada desenho resulta de um minucioso estudo desenvolvido no campo, recorrendo à fotografia e ao desenho. Tudo se resolve no seu atelier com a minucia do ourives que conduz uma gestação lenta e prazerosa de cada desenho, renovando e engrandecendo, sempre, a sua admiração pela natureza. As suas ilustrações científicas denotam uma afinidade muito intensa com o mundo natural e com o desenho, entendido como a disciplina da observação. É um lugar comum dizer-se que cabe à ilustração científica representar num indivíduo a universalidade de uma espécie. Mas, o trabalho de Marco Correia faz mais, representa a universalidade de uma espécie sem anular a unicidade do indivíduo. Deste modo, não esquece que qualquer ser vivo é único na sua aparição real, cada ser representado está tão investido pelo autor que fala tanto da espécie como de nós que a observamos a duas dimensões. As formas têm uma causa anatómica, uma razão de movimento e estabilidade, as cores variam com a luz, os brilhos e as iridescências das penas e das escamas alteram-se com o movimento dos corpos, mas como fazer isto num desenho bidimensional numa folha de papel?             

Posicionar a ilustração científica na confluência entre a ciência e a arte é outro lugar comum que, todavia, não deixa de corresponder à verdade. A ciência é refém da linguagem verbal que se engrandece através destas imagens para, codificar, representar, comunicar e compreender o conhecimento que produz. Mas, o desenho exprime-se numa linguagem muda, a dos pêlos dos pinceis, dos lápis de cor e das tintas. A boa ilustração científica não está somente ao serviço da ciência, ela exprime-se por outra linguagem que é muda e que capta o mistério de cada ser vivo. Uma boa ilustração permite-nos continuar a fazer perguntas alimentando sempre mais o impulso de proteção das espécies que é ético e político.

Samuel Rama   

 

NOTA BIOGRÁFICA

Marco Nunes Correia é licenciado em Design de Comunicação pela Faculdade de Belas-Artes de Lisboa (1998), tendo recebido formação em ilustração científica no atelier de Pedro Salgado, colaborando em diversos projetos de ilustração científica (1996 – 1999).

Este artista é freelancer e centra a sua atividade profissional nas áreas do design de comunicação, ilustração científica e ensino. Ilustrador premiado a nível nacional e internacional, com trabalhos publicados em diversas edições de caráter científico e de divulgação.

Destacam-se as ilustrações publicadas no Oceanário de Lisboa, na edição portuguesa da National Geographic, na revista “Sábado”, na edição científica “Fauna Ibérica” do Museu Nacional de Ciências Naturais, de Madrid, e em várias publicações do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, entre as quais o “Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal” e o “Atlas das Aves Nidificantes em Portugal”. Mais recentemente ilustrou um selo (o texugo), para a série dos CTT “Mamíferos Predadores”.

Iniciou actividade docente em 2001, tendo obtido em Novembro de 2013 o título académico de professor especialista na área de ilustração e produção dos media (ilustração científica). Tem lecionado ilustração científica em diversos cursos, dos quais se destacam, o mestrado de ilustração científica do Instituto Superior de Educação e Ciências (Lisboa), o mestrado de Ilustração da Escola Superior Artística de Guimarães e o curso de aperfeiçoamento em ilustração científica da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (Uberaba – Brasil). Atualmente, é professor de ilustração científica e desenho na Escola Superior de Artes e Design de Caldas da Rainha/Politécnico de Leiria.

É membro fundador e vice-presidente do “Grupo do Risco” desenvolvendo actividades na área do desenho de campo, através de expedições realizadas em diversos espaços naturais em Portugal e no estrangeiro.

 

 

_______________

FICHA TÉCNICA

 

Curadoria: Samuel Rama

Design gráfico: Francisco Moreira

Comunicação: Francisco Moreira / Liliana Gonçalves